Sobre eduardoalencar

Eduardo Alencar é psicólogo analítico – comportamental do Centro de Apoio de Inclusão Social (CAIS) da USP em parceria ao Genoma no atendimento de pais e cuidadores de crianças autistas, pós-graduado em Terapia Comportamental e Cognitiva pela USP, especializado em grafologia pelo Instituito Paulo Sérgio Camargo, formação técnica em administração de empresas pelo ETE Beka, extensão universitária em Organizational Behavior Management e em Acompanhamento Terapeutico pelo Núcleo Paradigma (SP), extensão universitária em método CDBA para vendas e varejo pelo Instituto Friedman, formação em analista de T&D pela Integração Consultoria de Idalberto Chiavenato, colunista de portais diversos (redepsi, administradores.com.br, outros) e membro da Associação Brasileira de Psicoterapia e Medicina Comportamental desde 2004, onde apresenta publicações, painéis, textos e comunicação oral sobre a analise do comportamento aplicada a clinica, educação e organizações, consultor de RH junto aos subsistemas de Seleção e Desenvolvimento com mais de 7 anos de experiência em empresas como: grupo Catho, Organização Gelre, Nube e Grupo SBF.

A primeira impressão é a que fica! Um currículo bem elaborado é um diferencial que poderá não apenas estimular o entrevistador a convidá-lo para participar de um processo seletivo, mas também diferenciá-lo dos seus concorrentes, portanto, investir tempo e prepará-lo com capricho não é nenhum tipo de perda de tempo, mas sim uma importante estratégia para sua recolocação. Sendo assim segue algumas dicas de como elaborar seu currículo e evitar algumas incoerências que podem eliminá-lo em um processo seletivo:

  1. Os “Dados pessoais” colocados no início de um currículo facilitam a identificação do candidato. É totalmente desnecessário colocar número de documentos como CTPS, RG, CPF ou referências pessoais, exceto quando solicitado pela empresa. Geralmente documentos são solicitados em etapa de admissão. Antecipá-los em seu currículo passa freqüentemente a imagem do famoso “encher linguiça”.
  2. Crie um e-mail com topografia profissional. Evite e-mails do tipo Boy_pegador@provedor.com.br, edugostosao@provedor.com.br, vivian_gata_da_nigth@provedor.com.br . O e-mail é o seu endereço eletrônico e passa um micro recorte de sua seriedade profissional / credibilidade.
  3. Indique somente uma área de interesse. Caso queira se candidatar a oportunidades de áreas diferentes, é recomendável ter mais de um currículo com objetivos distintos. Com esta medida, você transmite uma conduta de assertividade e foco em resultados ao invés de desespero e confusão.
  4. Lembre-se de que o campo de “qualificações” é um espaço para confecção de um resumo e não um livro. Destaque no máximo quatro ou cinco principais qualificações adquiridas em experiências de trabalho formais e informais. Suas inúmeras habilidades certamente serão avaliadas ao longo do processo seletivo, ou seja, nas entrevistas, nas dinâmicas, nos testes, etc.
  5. Ordene o campo 5 de sua atual ou última graduação para a primeira, obedecendo a seqüência: Curso, Instituição de Ensino, Ano de conclusão ou ano de início e término. Coloque nível técnico ou ensino médio apenas quando for relacionado á formação atual ou área de interesse. O mesmo vale quando já tiver cursado mais de uma graduação.
  6. Mencione o nome da empresa e o período em que atuou lá. Colocar informações sobre a empresa mostra que você se preocupou em contextualizar informações (Por exemplo, empresa XX fabricante de tintas onde atuei como analista de….) para quem analisa o currículo. Não colocar a data de entrada e saída é uma dica para o selecionador elaborar hipóteses como: a sua falta de atenção, uma tentativa de esconder que ficou pouco tempo naquela empresa, etc.
  7. Descreva sua experiência de forma objetiva, sempre respondendo Contextos, Ações e Resultados.
  8. Ao citar idiomas, detalhe seu nível de proficiência. Não coloque “básico” só para preencher espaço no seu currículo.
  9. Experiências de intercâmbio também são muito valorizadas, principalmente se a vaga for para empresas multinacionais.
  10. Inclua no campo de formação complementar os treinamentos e cursos que fez, desde que tenham afinidade com a futura área de atuação. Reflita: ninguém se candidata a uma vaga de auxiliar contábil demonstrando que fez curso complementar de cabeleireiro ou auxiliar de cozinha…Pense sempre na coerência daquilo que você está escrevendo.
  11. Aproveite o campo de atividades complementares para valorizar atividades exercidas por você no meio acadêmico e social, seja a participação em congressos, estágios, etc.

Currículo

Eduardo Alencar destaca ainda, outros importantes aspectos a serem observados:

Conteúdo geral – O currículo deve ser o mais objetivo e conciso possível, evidenciando suas habilidades, conquistas e experiências. Mencionando apenas o necessário para demonstrar que você tem o perfil desejado. Evitando mentiras ou informações que possam colocar você em uma saia justa nas demais etapas do processo seletivo.

Layout / aparência – Logo após dados pessoais, objetivo e qualificações, o profissional que opta por colocar a experiência profissional primeiro, demonstra valorizar esse aspecto. Quem prefere colocar formação acadêmica, dá ênfase a esse ponto. Dê ênfase ao que você tem de melhor…nos casos de ser o seu primeiro emprego por exemplo, opte por priorizar a formação acadêmica! Não há modelo certo ou errado de lay out, o que prevalece para sua confecção é a descrição. Seja discreto, seu currículo não é um outdoor, ele é um cartão de visitas que resume as suas qualificações e trajetória profissional.

Fontes e cores – Para um currículo mais tradicional, opte por letra Arial, tamanho 12 cor preta impressos em folhas brancas A4. Profissionais de outras áreas como o marketing e a publicidade podem variar um pouco mais.

Atualização – O currículo é o primeiro contato da empresa com você. Insira as informações mais recentes e relevantes. Parece brincadeira, mas recebemos inúmeros currículos cujo candidatos se esqueceram de colocar ou atualizar os telefones.

Número de páginas – O currículo deve ter 01, no máximo 02 páginas para profissionais em início de carreira e 02 para profissionais mais experientes e sem limites para vagas acadêmicas (professor, pesquisadores, cientistas, etc).

Para quem não tem experiência profissional – Aproveite o campo Atividades Complementares para mencionar trabalhos voluntários, trabalhos acadêmicos premiados, monitorias na faculdade, atividades em centro acadêmico, empresa Junior ou comissão de formatura, entre outros.

Foto – Coloque sua foto somente se for solicitada pela empresa. Nesse caso, use o bom-senso e evite imagens de regatas, óculos escuros, fotos com a família, decotes, maquiagem exagerada, fotos em família, etc.

Estética – O texto limpo permite uma leitura agradável. Se você for imprimi-lo, capriche no papel e o modo de apresentação. Se enviar por email, envie em formato doc. Nunca esqueça de justificar o texto / formatá-lo adequadamente.

Assinatura – Não é necessário assinar o currículo, pressupõe-se que você assume uma vericidade junto as informações mencionadas no ato da entrega.

Ortografia – Tenha cuidado com esse aspecto extremamente relevante. Use um corretor ortográfico, revise a digitação ou peça para pessoas mais experientes revisarem o conteúdo. O recrutador perceberá quando o erro foi de digitação ou de ortografia, principalmente se a vaga exigir competências técnicas voltadas a língua portuguesa.

Lattes – Profissionais da área acadêmica devem inserir o link para acesso ao seu currículo em plataforma lattes.

Seguindo estas orientações, seu currículo agregará maior probabilidade na convocação das etapas de entrevistas. Volte e relate-nos sobre as suas experiências de recolocação.

Boa Sorte!