– Mas… Eles juraram ser felizes para sempre…
– Talvez tenham jurado para si mesmos sem jurar um para o outro.
– Não entendo.
– Eles deixaram o amor ir embora…
– E pra onde ele foi?
– Se perdeu pelo caminho… ou talvez ainda esteja escondido dentro deles.
– Como sabemos que estamos no caminho certo?
– Você não sabe agora?
– Sei, mas eles não souberam pelo menos uma vez?
– Acho que sim.
– Então, por que fazemos juras de amor?
– Porque acreditamos que pode dar certo.
– E como podemos ter certeza de que seremos felizes para sempre?
– Temos que tentar.
– E vamos jurar sem ter certeza?
– É assim que acontece.
– Continuo não entendendo por que deu errado…
(silêncio)
– Ninguém disse que deu errado…

Vez ou outra as prioridades mudam, os sonhos mudam, a caligrafia muda. Vez ou outra ela acorda com a ligeira impressão de que pode mudar o mundo ou pelo menos fazer uma amiga ou outra pensar um pouco mais na vida. Ela é daquelas pessoas que costumamos chamar de “atípica”. O mundo pode estar acabando e ela sorri dizendo que pra tudo há sempre uma esperança. Alguns acham que é louca, outros a chamam de Polyana. A bem da verdade é que é uma menina de sorte. Dizem que atrai coisas boas. Ela prefere atrair apenas boas amizades. Sua vida de fora parece ser pacata. Mas até hoje ninguém sabe por que vive cada momento como se nunca mais fosse se repetir…

Sua vida se resumia aos 20 metros quadrados de seu pequeno apartamento. Sempre foram suficientes para aquele coração sufocado por seus próprios sentimentos. Mas não mais que de repente, uma pequena brecha se abriu. E foi o suficiente para que novas sensações se instalassem para sempre naquele peito juvenil. E assim, lá estava ele ocupando 20 metros quadrados de seu coração. A moça ficou tão feliz que resolveu lhe dar mais: a geladeira, o lado esquerdo da cama e o fogão. Juntos descobriram que 10 metros quadrados pra cada um são mais que suficiente. E assim, naquele pequeno apartamento eles foram felizes para sempre…

Sempre fui uma defensora do Word. O lugar perfeito para o nascimento dos mais belos textos, das mais incríveis idéias. Nunca tive medo daquela página em branco. Na configuração padrão, sempre fonte Verdana. Espaçamento duplo para respirar com calma.

Mas os tempos mudaram e a tecnologia invadiu a minha alma. E não é para o Word que faço esta declaração. Preciso confessar, finalmente, que Corel e Photoshop entraram em meu coração.

São estranhos, confesso. Mesmo que você esteja trabalhando em milhares de layers, nunca tem certeza de que sabe profundamente o que está fazendo. Afinal, quem não se esconde atrás de camadas e camadas de si mesmo? Somos como os layers do photoshop. Alguns mais aparentes, outros mais escondidos. Alguns cheios de surpresa, outros que merecem ir direto para o lixo.

Mas não é só de camadas que somos feitos. Como qualquer ser humano ou programa do Bill Gates, temos defeitos. É nessas horas que tudo o que devemos fazer é ter um pouco de bom senso para dar um crop em nossas vidas. Tire tudo que é demais. Exclua o que te faz mal. Faça um crop de si mesmo e tenho certeza que vai se sentir melhor.

Do carimbo então nem se fala. É como se você pudesse repetir os melhores momentos da sua vida para sempre, quando quisesse. Só mesmo um carimbo pra fazer qualquer lembrança ruim se regenerar em nossa mente. Só mesmo uma ferramenta como esta para curar feridas, tapar buracos e criar histórias que nunca foram vividas.

E o power clip então? A ferramenta mais sexual do tarado. É como se ele dissesse “bota tudo lá dentro!”. E você vai botando, botando… quando vê, power clip de power clip já é fato! É como se sua vida fosse um grande quadrado e lá dentro você fosse jogando tudo de bom que encontra do outro lado. É como uma mala na volta de uma viagem ou como uma sacola no retorno do supermercado. Faça um teste e veja quantos elementos você já colocou em power clip na sua vida. Tenho certeza que um ou outro está tão agrupado que você nem lembra que existia.

Disso tudo só posso dizer que a vida é como uma barra de ferramentas. Cada um escolhe as que quer usar e vai finalizando seu arquivo sem nunca deixar de salvar. Às vezes ele fica pesado. Outras, de tão confuso acaba ficando travado. Mas quando você vê a arte final, sorri para a tela e dá seu trabalho como encerrado.

O word que me desculpe, mas até corel e photoshop merecem as honras de uma redatora que pelo menos por um dia deixou seu programa preferido de lado.

E assim ele foi se acostumando a ter sempre uma pasta de dente diferente toda vez que mudava o mês. Permitiu que seus cabelos se acostumassem com shampoo e condicionador com cheiro de bebê. Aprendeu a aceitar alguém que bebe água na boca da garrafa que ele mesmo vai beber.

E assim ela se acostumou a dormir do outro lado da cama. Passou a aceitar o fato de que ia sempre acordar com o frio se não dormisse de pijama. Descobriu que finalmente alguém ia pegar no seu pé se não fizesse o eletrocardiograma.

Enquanto ele mostrava os melhores cantores de jazz, ela o ensinava a dançar forró dizendo que era um amador. Combinaram os dias da semana em que iam fazer sexo para em todos os outros fazerem amor. Ele a levou para comer arroz com brócolis e ela para tomar sorvete Itália de graça provando mais de um sabor. Ele a levou pra ver filme no Palácio e ela mostrou quanto tempo você fica no Cinemark esperando no corredor.

Cada um tinha um jeito. Cada um tinha uma mania. E mesmo sendo diferentes em muitas coisas, de repente encontraram alguma coisa que os unia. E isso foi o suficiente para perceberem que o que realmente queriam era amar simplesmente o jeito que cada um tinha.

Haverá um dia em que as mulheres serão entendidas como devem ser. E quando este dia chegar, o mundo inteiro vai conhecer a essência que envolve os mistérios de uma mulher. Palavras serão poemas. Gestos serão carícias. Cheiros serão perfumes. Ruas terão mais cores. Gostos novos sabores. O tempo passará mais devagar e cada minuto será visto com a plenitude com que Deus o criou. Não haverá pressa porque tudo terá seu tempo certo para acontecer. Assim como acontece com a mulher em gestação. Dias serão mais azuis e noites mais estreladas. Beijos terão mais calor e crianças serão mais amadas. Haverá um dia em que as mulheres serão entendidas como devem ser. Dia em que a música será melodia e até a morte representará a vida. Momentos serão apenas sonhos vividos em nosso dia-a-dia. E a história será apenas um retrato de uma época bonita. O vento será mais sutil. As palavras mais leves. Os segundos mais suaves. E tudo será mais perfeito. Assim como é a perfeição que Deus criou quando nos fez das costas de Adão.

Haverá um dia em que o homem será capaz de desvendar os segredos de uma mulher. E neste dia, certamente, ele vai se apaixonar pela mulher que conhecer

O tempo não pára pra me ver passar. Todos têm 24 horas, mas nem todas as 24 horas são iguais. Meus chefes colocam futilidades na minha vida. Eu tento colocar um pouco de vida em suas futilidade. Chove e faz sol enquanto aqui dentro a temperatura não varia 1 grau. Quando tudo parece calmo tenho a impressão de algo em breve vai acontecer. Qualquer ambiente de trabalho é previsível. Por que esse não haveria de ser? E o tempo passa. Para marcar algumas horas do dia toca o hino da empresa. Ninguém canta. Quando toca às 6 parece Missa. Todo mundo quieto. Parece pecado ir embora essa hora. Enquanto isso, o tempo passa. Marco na parede da baia o pôr-do-sol que estou perdendo lá fora. Como um presídio sem grade. Como um ambiente sem fraude. Tudo parece calmo quando se omite o relógio do Explorer. Será que ninguém percebe que o tempo urge lá fora? Clama por nossa aura? O tempo não pára pra me ver passar. Não espera uma nova oportunidade para clarear. Contadores, relógios, cronômetros, passagens de dia e de hora. Será que está chovendo lá fora? Hasteamos a bandeira da qualidade de vida e nos acostumamos com as massagens de terça-feira. Que tal comer um pouco mais devagar? Tenha certeza que pelo menos para a hora da reunião um lanchinho rápido eles vão providenciar. E assim, seguindo essa melodia – que seus dias vão passar. E mais um pôr-do-sol que não vi vou acumular. Alguns dias demoram mais a passar, outros são tão rápidos que não dá nem pra piscar. Mas de uma coisa você deve ter certeza: todos têm 24 horas, mas nem todas as 24 horas são iguais. Pense bem o que faz com elas porque juntas formam um mês, que juntos formam um ano. E quando você menos espera, menos 24 horas lhe restaram. Se preocupe menos com o todo e aproveite mais cada parte. Alguns segundos valem mais do que um dia inteiro – e árduo – de trabalho.