Pela primeira vez na história uma Copa do Mundo de Futebol será realizada no continente negro. O país escolhido: África do Sul. Há 15 anos atrás a África do Sul sediava pela primeira vez uma outra Copa do Mundo, a de Rúgbi. Na época o evento foi usado como estratégia de união dos povos sul africanos, uma vez que a democracia se restaurara após o fim do regime segregacionista conhecido como Apartheid.

O Apartheid separou as etnias (não apenas negros e brancos, mas as etnias negras entre si, as brancas entre si e os outros povos). Depois de uma conquista recente dos territórios do norte do país os brancos passaram a ter domínio legal sobre as terras antes pertencentes às tribos negras. Com isso construíram suas cidades nos moldes europeus, onde só era permitida a entrada de negros que ali trabalhassem quase como escravos. Por outro lado, os negros começaram a construir suas cidades também. Assim existiam as cidades-brancas e as cidades-negras.

É claro que as cidades-negras não foram construídas da mesma maneira que as cidades-brancas. Os negros não possuíam recursos para tal. Com isso, a maioria dessas cidades evoluiu para o que hoje é conhecido por townships, semelhantes às favelas brasileiras, com a diferença de não estarem dentro de uma cidade e sim serem a própria cidade. São, portanto, enormes e diversas favelas no interior do país.

Com a ascensão dos negros ao poder, com a eleição de Mandela em 1994, houve a esperança de que as cidades-negras fossem alvo de melhorias, urbanização, infra-estruturação. Ledo engano! Sentindo-se traídos então pelo novo regime, dito comunista, os habitantes dessas cidades-negras ou townships (ambos termos pejorativos) resolveram boicotar a Copa do Mundo de 2010.

Diante das mazelas em que vivem, do abandono de suas cidades pelo governo, da falta de infra-estrutura básica há 16 anos prometida e da construção de grandes estádios, da reforma das rodovias que ligam as principais cidades¹ e da obra milionária de instalação de cabos de fibra óptica para melhorar o acesso à Internet (pré-requisitos exigidos pela FIFA), os moradores das townships decidiram causar tumultos nas filas de compras de ingressos. Decidiram atirar pedras aos ônibus que conduzirão os espectadores dos jogos do estacionamento ao estádio. Decidiram entrar em greve dos serviços básicos (coleta de lixo, transporte, etc.) pondo em risco a boa realização do espetáculo do futebol em terras africanas.

Meu marido comentou e eu assino embaixo: “O fracasso da Copa da África ofuscará o fracasso da Copa do Brasil!”

Nota: ¹As estradas e os estádios são obras grandiosas. Além disso começou a ser construído o Gautrain (uma referência a Gauteng a província onde se situa Johannesburg e Tshwane, antiga Pretoria), um trem que liga as duas cidades. Faltando cerca de 40 dias para o início do Mundial, e as obras ainda estão a ser completadas (se isso ocorrer).

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido