No princípio havia apenas o blues. Então Deus disse “faça-se o soul” e o achou bom. No primeiro dia, o Senhor criou o baterista de soul e disse “sob tua responsabilidade ficará a condução, reta e precisa, mas nunca perderás o swing“. No segundo dia Deus criou o baixista de soul e disse “A ti confio o groove e tu farás dele a alma do soul”. No terceiro dia, Deus criou o pianista de soul e disse “a ti entrego a harmonia e tu farás dela um instrumento da Minha vontade”. No quarto dia, Deus criou o naipe de metais e disse “soprai e soprai com precisão, pois vosso sopro acalentará o coração dos que verdadeiramente amam o soul”. No quinto dia Deus criou o vocalista de soul e disse “forte e melodiosa será tua voz, e tu emocionarás os amantes do soul cantando para eles como se cantasses apenas para Mim”. No sétimo dia o Senhor descansaria, mas depois de dois dias ouvindo os outros músicos de soul e os guitarristas de outros estilos musicais, Ele não sabia o que fazer exatamente com o guitarrista de soul. Depois de muito pensar, o Senhor, em Sua infinita sapiência, apontou para o fundo do palco e disse “vai para lá e faze teu blim-blim bem baixinho, para não atrapalhar o resto da banda”.

*Dedicado ao meu amigo Felipe Barão, que adora quando eu faço essas graças.

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido