Fracasso. Malogro. Insucesso. Ato de fracassar. Todos nós em algum momento de nossa vã existência já nos confrontamos com essa palavra. E fugimos, evitamos, procuramos com toda a força de nosso ser mantê-la bem distante de nossos sonhos e metas. E quando nos deparamos com ela? Negamos. Ou até aceitamos, pra justificar uma futura vitória. Quantas vezes já nos pegamos dizendo: – O que importa é o aprendizado!

Sim. O fracasso tem o poder de nos tirar o sono, de assombrar nossas metas, de nos fazer ter cautelas às vezes exacerbadas, nos fazer perder a cabeça, causar stress, mas… e quando o fracasso é inevitável? E vou além: e quando o fracasso é inerente ao ser em questão?

Sim. Eu faço parte de uma elite, nem tão elitizada assim, porém mal vista, digna às vezes de pena ou de deboche. Sim. Eu sou um fracassado.

Ser fracassado é ter a consciência plena de que nada que possa vir a fazer é passível de dar certo. Não adianta a formação, grau de instrução ou capacidade de aprendizado. Nada disso adianta. A sorte, que é elemento bem visível em grande parte dos seres humanos, em alguns mais que outros, é irrealidade pura para seres como nós. Como se a ventura estivesse sempre com um sorriso sarcástico em seus lábios maviosos.

Ser fracassado é saber que já que não pode se contar com a sorte, ter a certeza de que não se deve perder tanto tempo se dedicando a qualquer atividade. Pois não será agraciada com o dom da concretização. Se der certo, é porque outros elementos foram envolvidos, provindos de outras pessoas. E não se alegrem, caros colegas, vai acontecer pra eles e até resolverem cansar de sua companhia.

Ser fracassado é acostumar-se a viver sempre à margem dos acontecimentos. Mendigar pequenas migalhas de atenção e se satisfazer com isso, pois é o máximo que poderá obter em sua vida medíocre. Geralmente faz parte do perfil do fracassado ser boa gente. Até porque eu nunca vi um ser rude e grosso ser fracassado. Isso é característica dos seres agraciados pelo acaso.

Como reconhecer um fracassado? Existem alguns eventos que se realizam de uma forma natural e espontânea: o indivíduo nasce, cresce, estuda, trabalha, se relaciona, procria, trabalha mais um pouco, cuida da prole, se aposenta, envelhece e morre. Essa é a lei natural. Não adianta reclamar, caro leitor, discordar e dizer que “prefere de outra forma”. Essa é a lei natural. Tudo que se acrescenta a mais é um “bônus” que a vida nos oferece. O fracassado não obedece a essa regra, tampouco à ordem e certamente é privado de algum ponto acima descrito. Tem problemas na infância, ou não consegue um bom trabalho, ou é um zero à esquerda em relacionamentos e muito menos tem a prole que deseja para perpetuar seus cromossomos (até porque é a seleção natural: por quê a natureza permitiria a multiplicação da “raça fracassada”?). Você se aplica em algum deles? Eu particularmente me aplico em vários.

Mas ser fracassado não é apenas ônus. É também saber que faz parte do grande sistema de equilíbrio do Universo, afinal, como já se cita sabiamente no dito popular: “para um rir, alguém tem que chorar”. Já pararam pra pensar que existem pessoas extremamente agraciadas pela boa mãe sorte? Os chamados “virados pra lua”. Ora bolas, se existem esses serem iluminados, por que não haveriam de existir os que estão fadados ao fracasso? É a lei natural. Sorriam e alegrem-se, caros mancebos!

Pensem bem, nobres amigos, às vezes a resposta pra tanta lamentação, injúria, depressão e inquietação está na incapacidade de assumir a condição de fracassado. Não perca mais tempo brigando contra as leis naturais. A aceitação dessa condição é o caminho mais digno. Não desperdice ao menos isso, pois ao fracassado resta ao menos uma coisa: a dignidade.

Sejam bem vindos ao fracasso!

(E que o último a sair apague a luz…)

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido