Almendra – Ana No Duerme

A arte desmistifica a vida. Destrói a imagem imaculada e sorridente envolta em rabiscos imperfeitos de sóis amarelos, iluminando verdes campos e casinhas de sapês.

A arte dá à vida os filmes humanistas de guerra, as fúnebres canções de amores perdidos, as poesias malditas, as impressões imprecisas de Monet, as tragédias dramáticas de Shakespeare… E assim a arte está para a vida não como um imitador barato, senão como seu próprio criador. Porque não há mais sentimento sobre a linha do horizonte, ao som do mar e a luz do sol, que dentre quatro paredes, sob um bolero portenho e ao calor nativo do peito.

Computadores fazem arte quando nossa alma é virtual.

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido