as vezes, quando sobra um pouco de amor próprio, eu penso que o dia vai acabar muito mais rápido do que começou. a grande verdade é que eu não sou boa o bastante sozinha. parece que nasce de um momento para o outro uma oficina de erros, e eles chegam e se apossam de mim. um a um vão sentando e apontando todos os meus erros. é uma auto flagelação, autodestruição. como estar feliz quando se está prestes a perder tudo. é o último passo antes do precipício. a última nota daquela canção que a gente ama. é o último gole. os últimos erros. e se chove dentro de mim? aqui tudo é uma tempestade. já nem sei mais se quero fugir. as vezes penso que não. tudo passou. sorrisos inteiros. tardes boas. vozes ao telefone. e o vazio. um imenso. enorme. gigante vazio. tudo aqui tá vazio.

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido