no dia seguinte talvez você não entenda o líquido que desce garganta abaixo. e que queima. é provavel que também não entenda que todas as histórias tem fim. e também que algumas tomam rumos diferentes.
pode ser que você não consiga enxergar por detrás do vidro embaçado daquele carro, enquanto alguém faz amor.
é bem provavel que você não acredite em coincidência e tente desmistificar o fato da pessoa ao lado não ter a mesma visão que a sua.

no dia seguinte pode acontecer de uma gota de chuva cair e você sentir que tem um maremoto dentro de ti, então ela se torna insignificante por fora, mas gigantesca por dentro. pode ser que nenhuma verdadeira guerra esteja acontecendo, mas que no meio de tudo isso você esteja apontando a arma para alguém desarmado.

no dia seguinte de qualquer vida, perante qualquer pessoa, daqui algum tempo, ou no instante agora você pode se arrepender das promessas e das verdades momentâneas que disse sobre alguém. não haverão pedidos de desculpas. e você nunca irá saber realmente como as pessoas irão te observar. ninguém – nem você mesmo – saberá ao certo como é, como deveria ser, ou como poderia ter sido.

mas no dia seguinte. a única certeza que temos, são os fragmentos obtusos ou largos deixados sobre um quarto escuro dentro da alma d’agente

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido