As palavras parecem nem ter um bom pretexto para sair do pensamento. ficam aqui permeando a borda dos dedos e se embaralham completamente na hora de serem colocadas no computador. da última vez que tentei colocá-las no papel, danou-se, foi ai que todas ficaram tímidas. desisti depois de alguns rabiscos. Elas ficam assim, loucas para explicitar tudo, beirando as letras do teclado. mas quando digito.cade? Sumiram. Escafederam-se. Acreditam que ficam assim paradas pelo cansaço fisico do corpo de alguém que trabalha. Mas a mente? Não..a mente não cansa, ela revira arquivos velhos, fotos velhas, coisas novas, músicas, letras, ela revira fotografias dos segundos anteriores a tudo isso. A mente não descansa, mesmo quando se cansa, ela fica lá…repetindo, repetindo,como a música de Maria Rita – é melhor colocar a música agora, quem sabe brota uma inspiração? – como um disco de vinil riscado ao meio enquanto a agulha tenta interpretar o que contém naquele espaço. a mente incendeia aquele amor correlato. pela ponta dos dedos desisto de escrever. vamos navegar na internet. navegar. queria saber quem inventou este termo. se surfar é assim troco isso pelo sapateado, é muito mais interessante. mas, vamos dando procedência, o que eu quero mesmo? Ah..lembrei,estou a procura de inspiração. Brutti, sporchi e cativi me levam a tentar falar de sexo, mas como falar de sexo se nem isso eu ando fazendo? Nada…a vida resume-se a trabalho. Uns flertes entre um sofá do Matrix e os bancos de ônibus da linha Peri Peri. Só trabalho..trabalho..trabalho..e lá vou eu novamente tentar achar um pretexto. ops, desculpem, um texto (não posso subjulgar meus leitores desta forma..me perdoem pela descrença) Mas fazer o que se tudo aquilo que eu leio neste momento me soa sem eira (acho que as pessoas não gostam de escrever em vésperas de feriado, tai uma boa desculpa)De repente um estalo:leio entre palavras, para tau. tal qual? tal qual esperamos que a vida aconteça.tai um bom tema (como se eu já não tivesse explorado ele o suficiente…mas vamos facilitar a sua vida leitor: assista o filme Elizabethtowm, e um dia na mesa de um bar, regados de algo líquido – mas não necessáriamente alcóolico, conversamos sobre) Basta começar assim: “Ih, olha a vida. olha ela pela janela acontecendo. AGORA!” Agora? Ops..trabalho. Toca naõ telefone. me dá um momento? Obrigada. Mas sabe,nem quero ó. Tem como me servir uma manhã desarmada ai? Ando precisando de coisas mais fáceis pra pensar. se der para não pensar, eu agradeço. sabe? algo assim, sem muito trabalho. Ops..e lá vai a mente….rasgando o verbo…Gentem se vocês pudessem caber aqui, dentro dela, ulá lá, não sei não se alguém sairia vivo dessa coisa de estar entre paredes e celas, mas é daqui que vou escrevendo este post para você, já que tanto você quer encontrar algo para ler.verdade é que eu fui gastando seu tempo, gastando, levando você a ler, mas estou aqui pra encher línguiça sabe? Porque a vida é assim, você acredita que está fazendo o possível para ser feliz, mas está só enchendo linguíça, porque quem é mesmo que é feliz assim? Preso a uma tela de computador? Feliz mesmo são aquelas pessoas que neste momento estão longe daqui, e nem perdem o tempo lendo as minhas baboseiras…e quer saber..vou indo..viver ali do lado e daqui a pouco eu volto.

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido