Por toda a cidade a história já é famosa, espécie de mito que figura entre os mais inacreditáveis do vasto folclore local. Trata-se do pau de duas cabeças.

Muita gente já o viu por aí. E não somente mulheres, como era de se esperar em uma sociedade paternalista. Homens também já o viram, por entre as penumbras das alcovas mais recatadas. Dizem até que o pau de duas cabeças já desbravou hábitos eclesiásticos. E atrás da igreja. Não importa se é preto ou branco, jovem ou velho. O pau de duas cabeças só perdoa as crianças, porque criança é coisa linda de deus.

A medicina não trata de explicar a aberração – se é que assim pode ser chamada tal característica – pelos meios da ciência. Mera crendice popular, dizem os catedráticos, como a espinhela caída e a dor no meio. Nenhum médico, nem enfermeiro, alega ter avistado o pau de duas cabeças. Desconfia-se que tal fato se deve ao medo de virar motivo de chacota. Vale ressaltar que a cidade não tem funcionárias atuando na área de saúde.

Como não podia deixar de ser, considerando a língua um elemento vivo e em constante transmutação, diversos ditos populares foram criados, ou melhor, recriados, tomando como ponto de partida o pau de duas cabeças. Como os que seguem:

“Duas cabeças fodem melhor que uma”
“Mais vale um pau na mão do que duas cabeças voando”

O comércio também se apropriou da figura do pau de duas cabeças e aumentou vigorosamente o volume de vendas. Souvenirs, pequenos mimos e objetos decorativos são a principal fonte de renda da cidade, que outrora lucrava com a comercialização de sapatos de couro nelore. A única sex shop, localizada no centro da cidade, desenvolveu o consolo de duas cabeças, que funciona com apenas duas pilhas tamanho médio, exatamente como um aparelho convencional. O sucesso do invento é tamanho, que o produto já começa a ser exportado para Ásia e Oceania.

Desde os primeiros relatos da aparição do membro inusitado, alguns xingamentos e outras ofensas ficaram proibidas, sob pena de reclusão por caracterizar atentado grave ao pudor, mesmo sem conter palavras de baixo calão, como o caso citado abaixo:

“Quem não gosta de samba, bom sujeito não é. Ou é ruim das cabeças, ou doente do pé.”

Pouco ainda se sabe sobre o pau de duas cabeças. Porém, a Defesa Civil e a Vigilância Sanitária, em operação conjunta com a Polícia Militar, estão espalhando cartazes e promovendo campanhas de conscientização. O Disque Denúncia vai pagar uma boa recompensa para quem der pistas concretas sobre o órgão genital modificado. Mandar alguém tomar no cu, temporariamente, está proibido em toda a região.

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido