Vem cá.
Hoje eu quero lhe contar o que se passa no meu peito. E quero que você saiba como tudo é docemente imperfeito.
Essas feridas, você vê? Nunca sararam. E eu as guardo comigo desde o dia em que lhe vi partir.
Ou fugir.

É.
E me sufoca. Você não sabe como a saudade é afiada. Como ela corta todos os meus pensamentos. E você ainda não sabe, mas esse tempo eu só fiz passar.
Passar o tempo.
Lentamente.

Sente.
Meu coração já está fraco. Cansado.
Continua.
Continua apaixonado.
Então, cadê aquele nosso combinado? De sermos felizes lado a lado, de beijar a boca e morder o lábio?

Aqui.
Põe teus dedos entre meus cabelos, mesmo que seja só de brincadeira.
Eu gosto de você de qualquer maneira.
E se você quiser, pode seguir caminho.
Só queria que você soubesse que também gosto de você sozinho.

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido