[ELA ME AMA]

ELA ME AMA

Ela me ama. Eu sei que ela me ama. Se não me amasse, por que estaria sempre me esperando sorridente, vestidinho justo e brilhante, os dentes à mostra, a boca tão vermelha que parece que vai explodir? Mas é claro que ela me ama. Quem pode duvidar? Nos vemos pouco, é verdade. Mas é só eu ligar, pedir ¿ e não preciso nem me esforçar muito ¿ que ela já está toda disponível. Nunca tem tempo ruim. Chega toda feliz, rebolando tanto que mais parece aquela música do Chico. Lembra, a do ¿tufão nos quadris¿? Pois é. É ela. Isso é ou não é prova de amor? Sempre disponível assim, bem disposta, feliz…E você vem me dizer que ela não me ama, que o negócio dela é dinheiro? Ah, pára com isso. Você não a conhece tão bem quanto eu. Você não sabe o que está falando. Que papo besta. Pára com isso, se não eu fico nervoso. Amigo, amigo…Você diz que é meu amigo mas não consegue enxergar quando um casal se ama? Quando a mulher que está com esse seu amigo está apaixonada por ele? Eu, hein? Que miopia, cara. É CLARO que ela me ama. Só você não vê. Você e mais uns tais aí que ficam de lero, ficam me enchendo o saco, dizendo que ela é isso, que ela é aquilo, que já saiu com fulano e beltrano. E daí, se já saiu? Agora ela está comigo, e sei que me ama. Se não amasse, não faria aquela revolução toda na cama. Coisa de louco, meu! De tirar o fôlego, de botar qualquer homem nas alturas…E depois, olha só que bonitinha, vem toda dengosa, toda fofinha falar que está com contas atrasadas, que tem que ajudar a mãe, e me pede dinheiro. Um ¿dinheirinho¿, como ela mesma diz. Não é linda? ¿Dinheirinho¿…E eu dou, claro, que para mulher apaixonada a gente não nega nada. É verdade que toda vez que a gente se encontra é a mesma história do ¿dinheirinho¿… No começo até estranhei, mas depois vi que o problema não é ela, é esse país. Quem não está precisando de dinheiro, né? Coisinha boba, trezentos hoje, quatrocentos amanhã…Nada de mais. Ah, eu a compreendo, e como a compreendo. E ela me ama, viu? E não me venha com histórias. Até porque ela é linda. Que mulher linda, cara! Só tem uma coisa que me deixa triste: ela não me beija na boca. Diz que, isso, não. Faz falta, mas eu entendo. Questão de higiene, né? Vai ver é porque eu fumo. Ela não me beija na boca, mas faz cada coisa…Ela me ama, ponto. Eu sei. Quem precisa de beijo na boca?

Essa crônica foi um “presente” para um programa de Rádio que estamos montando na faculdade. O programa fala sobre prostituição de luxo…e o Marcello, um dos nossos professores – e conhecido no meio jornalístico pelo seu vasto conhecimento sobre Cultura – nos presenteou com ele…e eu gostei tanto que quis dividir com vocês.

Beijos!

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido