Verdade seja dita, não há como passar muito tempo sem que as angústias comecem a aparecer na sua vida. Você segue uma vida tranqüila, faz as cosias que gosta e que tem que fazer e acha que está tudo indo bem, que você está realizado, mas então aparece aquele sentimento do qual todos temos medo: o próprio medo!

Então começamos a duvidar de nossas realizações. Começamos a achar que é impossível tudo estar tão bem e pensamos que mais cedo ou mais tarde algo vai dar errado e estragar tudo.

Aí é que começam as angústias. Você se angustia por tudo o que faz na vida, tudo parece muito repetitivo, cansativo, e você tem vontade de fazer algo diferente e não sabe o quê. Então decide que a melhor maneira de esquecer tudo é “encher a cara”, “tomar umas” e aí sai com sua “galera”, vai para um bar, boate, ou coisas do gênero, onde pode se embriagar à vontade e chama isso de diversão.

Mas será que você está realmente se divertindo? Ou está apenas divertindo aos outros, falsos amigos que riem do seu estado físico deplorável, depois de tanto beber? Do que eles tanto riem se tudo o que você sente é a cabeça rodar, o estômago revirar, e vomitar toda hora? Isso é muito engraçado, né?

Mas do que você reclama? Quando é com eles, você faz parte do grupinho que fica tirando sarro e fazendo piadinha! E as gracinhas se estendem ao dia seguinte, quando há marcas de agulha no seu braço, ou você levou aquela bronca por tardar pra chegar em casa.
Por isso, toda diversão é subjetiva. E para se divertir vale tudo! Será?

Não sei bem se tenho me divertido ultimamente. Fica uma espécie de vazio que nunca se completa! Não sei se são as companhias, ou os lugares, mas parece que algo falta.
Mas mesmo com essa falta, é possível dizer que tenho momentos alegres e descontraídos, que me permitem sorrir, ou até mesmo gargalhar desesperadamente. Porém, esses momentos têm se tornado cada vez mais raros. As pessoas não compreendem meu jeito ¿diferente¿ de ser.

Dizem não ter preconceito, mas olham torto quando estou com outro homem em momentos de afeto explícito. Por que é proibido mostrar a todos o quanto se ama alguém? Por que importa tanto se somos do mesmo sexo ou não?

Não posso sonhar com uma vida a dois com meu garoto, pois dizem que é ridículo um casamento entre nós. Mas por que? Ao deveriam ficar felizes por ter eu encontrado meu verdadeiro e único amor?

Mas tudo o que afirmam é que as “bichas” só fazem isso por diversão!

Deixe uma resposta

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong> 

requerido